Autorretrato e porta-retrato: regras diferentes

Em tempos de reforma ortográfica, muita gente pensa que as alterações foram bem mais abrangentes do que realmente foram. Há quem não compreenda por que “autorretrato” passa a ser escrito com “rr” e “porta-retrato” continua com hífen.

Esse tipo de confusão se desfaz quando a pessoa olha o que deve ser olhado: o início da palavra. “Auto-” é um prefixo, “porta-” é uma forma do verbo “portar”. Os prefixos terminados em vogal unem-se, agora sem hífen, aos termos iniciados por “r” mediante a duplicação dessa consoante.

A regra, porém, não se estende a substantivos compostos, que têm dois ou mais radicais. Assim, “porta-retrato” continua com hífen, como a maioria dos demais compostos iniciados por verbo (“porta-bandeira”, “abre-alas”, “lança-perfume”, “arranca-rabo”, “arrasta-pé” etc).

A maioria requer o hífen, mas há exceções, já consagradas pelo uso. É o caso de “girassol”, “passatempo” e agora, com a reforma, “mandachuva” e, ao que tudo indica, “vagalume”. De modo geral, entretanto, emprega-se o hífen nos compostos formados de verbo seguido de substantivo (“porta-luvas”, “para-brisa”, “pica-pau”, “beija-flor”, “saca-rolha”, “mata-burro”, “borra-botas” etc).

Fonte: Dicas de Português UOL Educação Por Thaís Nicoleti

novo-acordo

Anúncios
Published in: on 01/04/2014 at 11:09  Deixe um comentário  
Tags: , , ,

Ano-Novo ou Ano Novo ou ano novo?

Ano-Novo corresponde ao réveillon: “Não compareceu à ceia da noite do Ano-Novo”. É o conjunto de festejos que acompanha a passagem de ano.

Com hífen, mas com letras minúsculas (ano-novo), segundo o dicionário Houaiss é o mesmo que “ano-bom, ano entrante, meia-noite do dia 31 de dezembro e dia primeiro de janeiro”.

Ano novo (sem hífen) são duas palavras: substantivo ano + adjetivo novo. Seria o oposto de ano velho. Corresponde a novo ano: “A empresa espera fechar muitos negócios neste ano novo”.

Fonte: G1 Dicas de Português Sérgio Nogueira

erros_portugues1

Published in: on 12/12/2012 at 00:35  Deixe um comentário  
Tags: , , ,

Uso do Hífen com Compostos

1. Usa-se o hífen nas palavras compostas que não apresentam elementos de ligação. Exemplos: guarda-chuva, arco-íris, boa-fé, segunda-feira, mesa-redonda, vaga-lume, joão-ninguém, porta-malas, porta-bandeira, pão-duro, bate-boca.
*Exceções: Não se usa o hífen em certas palavras que perderam a noção de composição, como
girassol, madressilva, mandachuva, pontapé, paraquedas, paraquedista, paraquedismo.

2. Usa-se o hífen em compostos que têm palavras iguais ou quase iguais, sem elementos de ligação. Exemplos: reco-reco, blá-blá-blá, zum-zum, tico-tico, tique-taque, cri-cri, glu-glu, rom-rom, pingue-pongue, zigue-zague, esconde-esconde, pega-pega, corre-corre.

3. Não se usa o hífen em compostos que apresentam elementos de ligação. Exemplos: pé de moleque, pé de vento, pai de todos, dia a dia, fim de semana, cor de vinho, ponto e vírgula, camisa de força, cara de pau, olho de sogra.
Incluem-se nesse caso os compostos de base oracional. Exemplos: maria vai com as outras, leva e traz, diz que diz que, deus me livre, deus nos acuda, cor de burro quando foge, bicho de sete cabeças, faz de conta.
* Exceções: água-de-colônia, arco-da-velha, cor-de-rosa, mais-que-perfeito, pé-de-meia, ao deus-dará, à queima-roupa.

4. Usa-se o hífen nos compostos entre cujos elementos há o emprego do apóstrofo. Exemplos: gota-d’água, pé-d’água.

5. Usa-se o hífen nas palavras compostas derivadas de topônimos (nomes próprios de lugares), com ou sem elementos de ligação.
Exemplos: Belo Horizonte – belo-horizontino, Porto Alegre – porto-alegrense, Mato Grosso do Sul – mato-grossense-do-sul, Rio Grande do Norte – rio-grandense-do-norte, África do Sul – sul-africano

6. Usa-se o hífen nos compostos que designam espécies animais e botânicas (nomes de plantas, flores, frutos, raízes, sementes), tenham ou não elementos de ligação. Exemplos: bem-te-vi, peixe-espada, peixe-do-paraíso, mico-leão-dourado, andorinha-da-serra, lebre-da-patagônia, erva-doce, ervilha-de-cheiro, pimenta-do-reino, peroba-do-campo, cravo-da-índia.
Obs.: não se usa o hífen, quando os compostos que designam espécies botânicas e zoológicas são empregados fora de seu sentido original. Observe a diferença de sentido entre os pares: a) bico-de-papagaio (espécie de planta ornamental) – bico de papagaio (deformação nas vértebras); b) olho-de-boi (espécie de peixe) – olho de boi (espécie de selo postal).

Uso do hífen com prefixos
As observações a seguir referem-se ao uso do hífen em palavras formadas por prefixos (anti, super, ultra, sub etc.) ou por elementos que podem funcionar como prefixos (aero, agro, auto, eletro, geo, hidro, macro, micro, mini, multi, neo etc.).

Casos gerais
1. Usa-se o hífen diante de palavra iniciada por h.
Exemplos: anti-higiênico, anti-histórico, macro-história, mini-hotel, proto-história, sobre-humano, super-homem, ultra-humano

2. Usa-se o hífen se o prefixo terminar com a mesma letra com que se inicia a outra palavra. Exemplos: micro-ondas, anti-inflacionário, sub-bibliotecário, inter-regional

3. Não se usa o hífen se o prefixo terminar com letra diferente daquela com que se inicia a outra palavra.
Exemplos: autoescola, antiaéreo, intermunicipal, supersônico, superinteressante, agroindustrial, aeroespacial, semicírculo
* Se o prefixo terminar por vogal e a outra palavra começar por r ou s, dobram-se essas letras. Exemplos: minissaia, antirracismo, ultrassom, semirreta

Casos particulares
1. Com os prefixos sub e sob, usa-se o hífen também diante de palavra iniciada por r.
Exemplos: sub-região, sub-reitor, sub-regional, sob-roda

2. Com os prefixos circum e pan, usa-se o hífen diante de palavra iniciada por m, n e vogal. Exemplos: circum-murado, circum-navegação, pan-americano

3. Usa-se o hífen com os prefixos ex, sem, além, aquém, recém, pós, pré, pró, vice.
Exemplos: além-mar, além-túmulo, aquém-mar, ex-aluno, ex-diretor, ex-hospedeiro, ex-prefeito, ex-presidente, pós-graduação, pré-história, pré-vestibular, pró-europeu, recém-casado, recém-nascido, sem-terra, vice-rei

4. O prefixo co junta-se com o segundo elemento, mesmo quando este se inicia por o ou h. Neste último caso, corta-se o h. Se a palavra seguinte começar com r ou s, dobram-se essas letras. Exemplos: coobrigação, coedição, coeducar, cofundador, coabitação, coerdeiro, correu, corresponsável, cosseno

5. Com os prefixos pre e re, não se usa o hífen, mesmo diante de palavras começadas por e. Exemplos: preexistente, preelaborar, reescrever, reedição

6. Na formação de palavras com ab, ob e ad, usa-se o hífen diante de palavra começada por b, d ou r.
Exemplos: ad-digital, ad-renal, ob-rogar, ab-rogar

Outros casos do uso do hífen
1. Não se usa o hífen na formação de palavras com não e quase.
Exemplos: (acordo de) não agressão, (isto é um) quase delito

2. Com mal*, usa-se o hífen quando a palavra seguinte começar por vogal, h ou l.
Exemplos: mal-entendido, mal-estar, mal-humorado, mal-limpo
* Quando mal significa doença, usa-se o hífen se não houver elemento de ligação. Exemplo: mal-francês. Se houver elemento de ligação, escreve-se sem o hífen. Exemplos: mal de lázaro, mal de sete dias.

3. Usa-se o hífen com sufixos de origem tupi-guarani que representam formas adjetivas, como açu, guaçu, mirim.
Exemplos: capim-açu, amoré-guaçu, anajá-mirim

4. Usa-se o hífen para ligar duas ou mais palavras que ocasionalmente se combinam, formando não propriamente vocábulos, mas encadeamentos vocabulares.
Exemplos: ponte Rio-Niterói, eixo Rio-São Paulo

Fonte: Nova Ortografia da Língua Portuguesa – UOL Michaelis

O Poder da Vírgula

Fonte: Siriguela Saltitante

Published in: on 05/01/2012 at 22:19  Deixe um comentário  
Tags: , ,

Parônimo

Parônimo é uma palavra que apresenta sentido diferente e forma semelhante a outra, que provoca, com alguma frequência, confusão. Essas palavras apresentam grafia e pronúncia parecida, mas com significados diferentes. Os parônimos podem ser também palavras homófonas, ou seja, a pronúcia de palavras parônimas pode ser a mesma. Veja alguns exemplos:

acender = verbo # ascender = subir

acento = inflexão tônica # assento = dispositivo para sentar-se

cartola = chapéu alto # quartola = pequena pipa

comprimento = extensão # cumprimento = saudação

coro = cantores # couro = pele de animal

deferimento = concessão # diferimento = adiamento

delatar = denunciar # dilatar = retardar, estender

descrição = representação # discrição = reserva

descriminar = inocentar # discriminar = distinguir

despensa = compartimento # dispensa = desobriga

destratar = insultar # distratar = desfazer contrato

emergir = vir à tona #  imergir = mergulhar

eminência = altura, excelência # iminência = proximidade de ocorrência

emitir = lançar fora de si # imitir = fazer entrar

enfestar = dobrar ao meio # infestar = assolar

enformar = meter em forma # informar = avisar

entender = compreender # intender = exercer vigilância

lenimento = suavizante # linimento = medicamento para fricções

migrar = mudar de um local para outro # emigrar = deixar um país para morar em outro  # imigrar = entrar num país vindo de outro

peão = que anda a pé # pião = espécie de brinquedo

recrear = divertir # recriar = criar de novo

se = pronome átono, conjugação # si = espécie de brinquedo

vadear = passar o vau # vadiar = passar vida ociosa

venoso = relativo a veias # vinoso = que produz vinho

vez = ocasião, momento # vês = verbo ver na 2ª pessoa do singular

Fonte: Wikipédia