Páscoa

A Páscoa é uma festa cristã que celebra a ressurreição de Jesus Cristo. Depois de morrer na cruz, seu corpo foi colocado em um sepulcro, onde ali permaneceu, até sua ressurreição, quando seu espírito e seu corpo foram reunificados. É o dia santo mais importante da religião cristã, quando as pessoas vão às igrejas e participam de cerimônias religiosas.

Muitos costumes ligados ao período pascal originam-se dos festivais pagãos da primavera. Outros vêm da celebração do Pessach, ou Passover, a Páscoa judaica. É uma das mais importantes festas do calendário judaico, que é celebrada por 8 dias e comemora o êxodo dos israelitas do Egito durante o reinado do faraó Ramsés II, da escravidão para a liberdade. Um ritual de passagem, assim como a “passagem” de Cristo, da morte para a vida.

No português, como em muitas outras línguas, a palavra Páscoa origina-se do hebraico Pessach. Os espanhóis chamam a festa de Pascua, os italianos de Pasqua e os franceses de Pâques.

A festa tradicional associa a imagem do coelho, um símbolo de fertilidade, e ovos pintados com cores brilhantes, representando a luz solar, dados como presentes. A origem do símbolo do coelho vem do fato de que os coelhos são notáveis por sua capacidade de reprodução. Como a Páscoa é ressurreição, é renascimento, nada melhor do que coelhos, para simbolizar a fertilidade!

O chocolate era considerado sagrado pelos Maias e Astecas, tal qual o ouro. Na Europa chegou por volta do século XVI, tornando rapidamente popular aquela mistura de sementes de cacau torradas e trituradas, depois juntada com água, mel e farinha. Vale lembrar que o chocolate foi consumido, em grande parte de sua história, apenas como uma bebida.

Em meados do século XVI, acreditava-se que, além de possuir poderes afrodisíacos, o chocolate dava poder e vigor aos que o bebiam. Por isso, era reservado apenas aos governantes e soldados.

Aliás, além de afrodisíaco, o chocolate já foi considerado um pecado, remédio, ora sagrado, ora alimento profano. Os astecas chegaram a usá-lo como moeda, tal o valor que o alimento possuía.

No século XX, os bombons e os ovos de Páscoa são criados, como mais uma forma de estabelecer de vez o consumo do chocolate no mundo inteiro. É tradicionalmente um presente recheado de significados. E não é só gostoso, como altamente nutritivo, um rico complemento e repositor de energia. Não é aconselhável, porém, consumi-lo isoladamente. Mas é um rico complemento e repositor de energia.

A tradição do coelho da Páscoa foi trazida à América por imigrantes alemães em meados de 1700. O coelhinho visitava as crianças, escondendo os ovos coloridos que elas teriam de encontrar na manhã de Páscoa.

Uma outra lenda conta que uma mulher pobre coloriu alguns ovos e os escondeu em um ninho para dá-los a seus filhos como presente de Páscoa. Quando as crianças descobriram o ninho, um grande coelho passou correndo. Espalhou-se então a história de que o coelho é quem trouxe os ovos.

No antigo Egito, o coelho simbolizava o nascimento e a nova vida. Alguns povos da Antiguidade o consideravam o símbolo da Lua. É possível que ele se tenha tornado símbolo pascal devido ao fato de a Lua determinar a data da Páscoa. Mas o certo mesmo é que a origem da imagem do coelho na Páscoa está na fertilidade que os coelhos possuem. Geram grandes ninhadas!

O dia da Páscoa é o primeiro domingo depois da Lua Cheia que ocorre no dia ou depois de 21 março (a data do equinócio). Entretanto, a data da Lua Cheia não é a real, mas a definida nas Tabelas Eclesiásticas. (A igreja, para obter consistência na data da Páscoa decidiu, no Conselho de Nicea, em 325 d.C, definir a Páscoa relacionada a uma Lua imaginária – conhecida como a “lua eclesiástica”).

A Quarta-Feira de Cinzas ocorre 46 dias antes da Páscoa, e, portanto a Terça-Feira de Carnaval ocorre 47 dias antes da Páscoa. Esse é o período da quaresma, que começa na quarta-feira de cinzas.

Com esta definição, a data da Páscoa pode ser determinada sem grande conhecimento astronômico. Mas a sequência de datas varia de ano para ano, sendo no mínimo em 22 de março e no máximo em 24 de abril, transformando a Páscoa numa festa “móvel”. De fato a sequência exata de datas da Páscoa repete-se aproximadamente em 5.700.000 anos no nosso calendário Gregoriano.

Fonte: Kidcafé-Escola

Anúncios

Sexta-feira Santa ou Sexta-feira da Paixão

A Sexta-Feira Santa é também chamada de “Sexta Feira da Paixão”, e é a sexta-feira que ocorre antes do domingo de Páscoa. É o dia em que os cristãos relembram a crucificação de Cristo na cruz. A Sexta-Feira Santa é um feriado móvel, assim como a Páscoa. No domingo de Páscoa os cristãos celebram a ressurreição de Jesus Cristo.

Nesta data ocorrem diversos rituais religiosos. A Igreja Católica aconselha os fiéis a fazerem algum tipo de penitência, como jejum e a abstinência de carne e qualquer ato que se refira ao prazer. Procissões e reconstituições da Via Sacra são alguns dos rituais mais difundidos. É comum que os católicos façam promessas nesse dia, além de deixar de comer seu alimento preferido, ou até mesmo deixar de fazer coisas que gostam muito nesse dia, como penitência.

Segundo a tradição cristã, a ressurreição de Cristo aconteceu em um domingo, ao dia 14 de Nisã, de acordo com o calendário hebraico. Essa tradição refere ser esse o terceiro dia desde a morte, pois contando a partir do domingo, e sabendo que o costume judaico, contava o primeiro e o último dia, seria então em uma sexta-feira o dia da morte de Cristo.

Fonte: Calendar R Brasil

Carnaval, Páscoa e Corpus Christi

Todos os feriados eclesiásticos são calculados em função da data da Páscoa, com exceção do Natal.

A Páscoa é uma festa de origens dos pastores nômades da época pré-mosaica e que perdurou por anos entre diversos povos, principalmente, os das regiões frias do hemisfério norte. Os povos se reuniam em comemoração da chegada da primavera com os dias mais quente e o fim das longas noites de inverno. Para eles, era época de se iniciar o trabalho com a terra para o plantio. Os povos aproveitavam as primeiras noites claras de lua cheia para saudar a nova estação em forma de festa. Mais tarde, o povo hebreu também passou a comemorar a sua histórica saída do Egito e posteriormente os cristãos passaram a comemorar a ressurreição de Cristo nesta mesma data.

O Dia da Páscoa, por definição, é o primeiro domingo após a lua cheia que ocorre após o equinócio vernal, e pode cair entre 22 de março e 25 de abril. As fórmulas existentes calculam o que se convencionou chamar de “Cálculo Eclesiático”, quando em 325 d.C. o Concílio de Nicea assim definiu.

O Dia de Carnaval, sempre numa terça-feira, acontece 47 dias antes da Páscoa. Logo, o Carnaval pode acontecer de 4 de fevereiro a 9 de março.

Corpus Christi acontece 60 dias depois da Páscoa. Logo, Corpus Christi, sempre numa quinta-feira, pode acontecer de 21 de maio até 24 de junho.

Segue tabela com as próximas datas da Páscoa, do Carnaval e de Corpus Christi:

Ano Páscoa Carnaval Corpus Christi
2010 04 de abril 16 de fevereiro 03 de junho
2011 24 de abril 08 de março 23 de junho
2012 08 de abril 21 de fevereiro 07 de junho
2013 31 de março 12 de fevereiro 30 de maio
2014 20 de abril 04 de março 19 de junho
2015 05 de abril 17 de fevereiro 04 de junho
2016 27 de março 09 de fevereiro 26 de maio
2017 16 de abril 28 de fevereiro 15 de junho
2018 01 de abril 13 de fevereiro 31 de maio
2019 21 de abril 05 de março 20 de junho
2020 12 de abril 25 de fevereiro 11 de junho
2021 04 de abril 16 de fevereiro 03 de junho
2022 17 de abril 01 de março 16 de junho
2023 09 de abril 21 de fevereiro 08 de junho
2024 31 de março 13 de fevereiro 30 de maio
2025 20 de abril 04 de março 19 de junho

Fonte: Te Liga Na Sapucaí / Instituto de Informática UFRGS / Wikipédia

trio

Published in: on 05/02/2013 at 02:48  Deixe um comentário  
Tags: , , ,

Dia das Mães