Amuletos de Ano Novo no Japão

Os japoneses são muito supersticiosos e, portanto, é comum ver à venda nos templos durante o Oshougatsu, todos os tipos de talismãs e amuletos, para dar sorte, felicidade e prosperidade no ano novo. Alguns são colocados em frente às portas ou no interior das residências, outros para serem colocados dentro dos carros, na carteira ou até pendurado no celular.

Amuletos da Sorte – Os tamanhos também são variados, desde os minúsculos até os maiores, que podem ser colocados em uma parede, em frente às casas, na varanda ou em cima de um móvel.

Um exemplo de amuleto usado no Oshougatsu é o Shimekazari (Shimenawa), feito de corda trançada ou torcida de palha de arroz, em diversos formatos, tamanhos e decorações artesanais variadas. As dobraduras (origamis) também fazem parte da decoração, como o shide, um papel dobrado em zigue zague, lembrando um leque e o heisoku, um tipo de dobradura com papel washi.

foto2

Outros itens que podem decorar o Shimekazari é o Dadai, uma laranja japonesa amarga, que também significa ao povo japonês, algo como “de geração em geração”. A lagosta, outro item que ilustra o Shimekazari, é um símbolo da velhice (porque o corpo da lagosta está inclinado como o corpo de um homem velho). Os galhos de pinheiro são símbolos de poder e longevidade, porque são verdes o tempo todo e os folhas de samambaia são símbolos de esperança e desejo de ter uma família feliz, passando de geração para geração…

foto3

Os japoneses costumam colocar o Shimenawa em suas varandas ou portas de entrada, como forma de afastar o mal, livrar-se das impurezas, purificar o lar e trazer boa sorte para a família. É comum ver esse amuleto também em Santuários Xintoístas, com o intuito de manter os maus espíritos longe ou em tamanhos menores, feitos especialmente para pendurar no retrovisor da frente do carro.

foto4

Omamoris são amuletos feitos com pedaços de papel onde aparece o nome de uma divindade, normalmente um dos Shichi Fukujin (sete deuses da felicidade) ou uma oração, visando proteção, prosperidade, felicidade ou mesmo a realização de algum desejo. Normalmente este pedaço de papel é dobrado e colocado em pequenos saquinhos vermelhos, gatinhos da sorte ou mesmo amarrados em árvores.

foto5

Kadomatsu é uma decoração típica japonesa para o Ano Novo e significa literalmente “portão de pinheiros”. Geralmente, os japoneses colocam o Kadomatsu em pares, representando masculino e feminino em ambos os lados da porta em frente a casas e empresas. São colocados após o Natal e ficam até o dia 7 de janeiro e o objetivo dele é muito mais do que uma peça decorativa. O bambu representa força e crescimento, enquanto os ramos de pinha simbolizam vida longa. O arranjo é para trazer sorte à casa, acolher os espíritos dos ancestrais ou o Kami da colheita.

foto6

A composição do Kadomatsu é da seguinte forma: A parte principal é composta por três hastes de bambu de tamanhos diferentes, sendo que o do meio é o mais alto, representando o céu, o mais baixo, representa a terra e o de tamanho médio representa a humanidade.

foto7

O Daruma Doll é um  amuleto da sorte japonês e é muito comum ser dado de presente às pessoas próximas. São feitos artesanalmente de papel machê e oco por dentro. É comum ser encontrado na cor vermelho, mas existem Daruma de outras cores também. A região dos olhos é branca, pois quem ganhar o amuleto deve preencher o olho esquerdo ao fazer um desejo e somente pintar o olho direito, caso o desejo seja atendido.

foto8

Eles são um presente comum para novas empresas, políticos durante uma campanha, ou para os alunos antes de um grande teste. Cada um têm um kanji diferente ou caracteres chineses para diferentes ocasiões, mas são frequentemente associados com a frase “nanakorobi yaoki“ 七転び八起き que se traduz “Caia 7 vezes, mas levante 8”.

Isso significa basicamente que nunca devemos desistir, não importa quantas vezes você cai. Você pode comprá-los em qualquer lugar, até em 100Y Shop.

foto9

O Manekineko (招き猫) é com certeza um dos amuletos de sorte mais conhecidos no Japão. São chamados de Gatos da Sorte, da Felicidade e da Fortuna. Geralmente são feitos de cerâmica ou porcelana japonesa e o principal objetivo é atrair sorte e fortuna às vidas das pessoas e aos estabelecimentos comerciais.

Além de ser um ótimo souvenir para dar de presente no Ano Novo, podemos encontrar o Manekineko em tamanhos e cores variadas, na frente das fachadas de empresas, lojas, shoppings, pachinko, etc.

foto10

Uma das principais características do Manekineko é sempre estar sempre sentado e com uma patinha levantada na altura da orelha. Segundo dizem, quando a patinha levantada é a esquerda, significa que é para chamar clientes e fazê-los gastar mais na loja. Se a patinha levantada é a direita, é para atrair sorte e dinheiro.

Pode-se ainda encontrar os gatinhos com as duas patinhas levantadas. Estes, por certo, é o melhor de todos! O Manekineko também pode ser encontrado na forma de cofrinhos, chaveiros, penduricalhos para celular, entre outros objetos.

Fonte: Japão em Foco

Published in: on 19/12/2016 at 00:55  Deixe um comentário  
Tags: , , , , ,

Gueixa

O fascínio pela gueixa no Ocidente começou através de artigos de jornais e da arte, do teatro e da literatura a partir da segunda metade do século XIX, quando o Japão passou a abrir seus portos às potências ocidentais, terminando um isolamento comercial e cultural que durou mais de 200 anos. Relatos de viajantes e correspondentes publicados em jornais de um Japão tão diferente e exótico eram lidos com grande curiosidade.

Em 1904, o compositor italiano Giacomo Puccini criou a ópera “Madame Butterfly”. Inspirada num caso verídico, a ópera conta a trágica história de uma gueixa, Cho-cho (“borboleta” em japonês), que se apaixona por Pinkerton, oficial americano em missão no Japão. Acreditando ser esposa de Pinkerton, ela tem um filho mestiço e passa a sofrer o preconceito dos japoneses. Ele é chamado de volta aos Estados Unidos, e acreditando nos democráticos valores com que seu amado descrevia o Ocidente, Cho-cho aguarda seu regresso ao Japão na esperança de ir viver com ele e seu filho na América. Mas Pinkerton volta casado com uma americana e deixa Cho-cho, que acaba se matando. Até hoje extremamente popular, “Madame Butterfly” não apenas tornou Cho-cho a gueixa ficcional mais famosa do mundo, como também serviu de inspiração para filmes e outra peça de sucesso 80 anos depois: o musical “Miss Saigon”.

A ficção e diferenças culturais fizeram com que a ideia que o Ocidente tem das gueixas seja distorcida, pouco correspondendo com a realidade. Muitos, principalmente os incultos, acham que uma gueixa nada mais é do que uma exótica prostituta de luxo – algo que choca os japoneses, que as consideram refinadas guardiãs das artes tradicionais. Para os japoneses, achar ou tratar uma gueixa como se ela fosse uma mera garota de programa é uma atitude que revela não só falta de critério, mas de cultura e “berço” de quem assim age. Na sociedade japonesa, a gueixa é objeto de admiração e respeito. Elas dão status aos lugares que vão e às pessoas com quem se relacionam.

Para muitos, o fascínio pelas gueixas começa através da mídia ou da ficção. Gueixas são um deleite para os olhos, como uma obra de arte viva. O que mais chama a atenção nas gueixas, entretanto, é a beleza de seus gestos e seu modo de falar. Cada movimento delas é estudado para ser estético e parecer delicado. Um dos talentos de uma gueixa é transformar o trivial em arte.

Como artista, a gueixa tem a obrigatoriedade de ser versada em música, dança, canto e literatura. Elas dedicam enorme tempo ao estudo e treinamento em artes, passando a ser valorizadas e remuneradas como entertainers. Diferentemente das prostitutas, as gueixas podem se recusar a ter sexo com o cliente. Tocar, cantar, dançar e contar histórias para entreter os comensais num banquete – essa é a principal atividade exercida pelas gueixas. Sentar-se à mesa e fazer companhia para os homens. Educadas e cultas, as gueixas tornam a conversação mais agradável e o tempo flui mais rápido. Com as gueixas, os clientes conseguem um tipo de relacionamento que não conseguem ter com suas esposas, ou mesmo com as prostitutas. E nem sempre os homens que vão aos banquetes/festas/reuniões querem fazer sexo depois de comer. Muitos querem apenas distrair-se, ou quando muito flertar – esse é o público das gueixas. Elas vêm desempenhando o papel de anfitriãs, servindo bebidas e conversando com as pessoas, além de dançar, cantar, contar histórias e fazer jogos de salão.

O período do governo de ocupação americano (1945 – 1952) trouxe uma série de novos desafios para a gueixa. A derrota na guerra causou, além da falência das instituições, a falência de boa parte dos clientes das gueixas. Uma nova clientela teve de ser conquistada, e elas procuraram os oficiais americanos. O problema maior ocorreu entre os soldados e militares de baixa patente. Ao saber que gueixas compareciam às recepções e jantares dos oficiais, sem presenciar ou entender o que as gueixas exatamente faziam em tais ocasiões, soldados americanos passaram a achar que “gueixa” significava “prostituta” em japonês, e quando saíam à procura de mulheres – que nada mais eram que moças comuns famintas tentando sobreviver no caos do pós-guerra – perguntavam se elas eram uma “guíxa” (a pronúncia que usavam para “geisha“). Como normalmente a resposta era um aceno afirmativo com a cabeça, os soldados passaram a acreditar que as garotas que arranjavam eram “guíxas”, e com isso tornou-se popular no Ocidente a ideia de que gueixas eram simples prostitutas com aparência exótica. A atividade da gueixa quase se extinguiu neste período difícil, mas sobreviveu. Sua imagem, entretanto, foi manchada pelo choque cultural.

Cultivando tradições, a gueixa se permitiu algumas modernidades, como falar inglês e entreter estrangeiros. E para desfazer a equivocada imagem que o Ocidente tinha das gueixas, o governo passou a chamá-las para ciceronear e entreter personalidades estrangeiras em visitas oficiais ao Japão, como a Rainha Elizabeth II e o Príncipe Charles da Inglaterra, o Rei Hussein e a Rainha Aliya da Jordânia e o Presidente Gerald Ford – o primeiro presidente americano a visitar o Japão após a 2ª Guerra.

Ser uma gueixa é mais do que uma mera profissão. É um estilo de vida que exige total e absoluta dedicação. É aceitar acima de tudo que será uma vida de servidão, mas que eventualmente terá grandes recompensas. Karyukai, “o mundo da flor e do salgueiro”, é o nome que se dá ao mundo das gueixas. Cada gueixa é como uma flor e um salgueiro ao mesmo tempo: bela em seu próprio modo de ser como uma flor, graciosa, flexível, mas forte como um salgueiro.

Gueixas podem se casar, mas ao se casar deixam de ser gueixas. Para uma mulher criada para dançar, tocar música, e acostumada a um estilo de vida de festas e quimonos caros, o papel de esposa confinada em casa é difícil de assimilar. Por isso, ao invés do casamento, muitas gueixas preferem permanecer solteiras ou arranjar um bom e rico danna. Danna em japonês significa “patrono”, mas no meio das gueixas designa um cliente que decide assumir uma gueixa como amante exclusiva. Normalmente os clientes de gueixas costumam ser bem mais velhos que elas – na meia-idade ou já na terceira idade, pois é em tal faixa etária que os homens alcançam o sucesso pessoal e financeiro. Ter um danna é o ideal de uma gueixa.

A atividade das gueixas sempre refletiu o grau de prosperidade econômica do próprio Japão. Quando os negócios vão bem, os clientes são numerosos e generosos. Quando há recessão, as agendas se esvaziam e gueixas se aposentam. Desde o fim da 2ª Guerra, o Japão foi reconstruído à imagem dos Estados Unidos. Tal influência propiciou rápido crescimento econômico e mudou de súbito valores e hábitos na sociedade japonesa. Hoje, com oportunidades mais justas, homens e mulheres disputam os mesmos espaços e cargos, e procuram mais a parceria que a subordinação. Tais fatores, embora positivos, reduziram o apelo que a gueixa tinha.

Impulsionado pela tecnologia da internet e da telefonia móvel, o sexo no Japão virou um produto fácil, barato e oferecido em larga escala. Na internet, além das modalidades mais corriqueiras de prostitutas, há outras que oferecem até donas de casa, “office ladies” e falsas gueixas: há de todos os fetiches para todos os gostos. Com tanta oferta no mercado do sexo, não faz sentido para os homens, principalmente os jovens, pagar uma fortuna para ter a companhia de uma gueixa e não ir automaticamente para a cama com ela. O menosprezo pela tradição também faz com que a gueixa lhes seja incompreensível e fora de moda. Os nostálgicos costumam criticar a “ocidentalização” excessiva de valores, que transforma tudo em mero comércio, e lamentam a perda da sensibilidade dos jovens para a sedução discreta e o refinamento da gueixa. Os japoneses entendem que mesmo para se deixar entreter por uma gueixa e apreciá-la, requer um certo grau de cultura do próprio cliente. A gueixa não é para qualquer um.

Talvez esteja neste ponto o valor da gueixa, e o que a fará  sobreviver: a raridade, a exclusividade, e a personificação daquilo que há de belo na alma do Japão. Ao longo dos séculos, as gueixas sobreviveram às mudanças de governos e às guerras graças à dedicação de maikos e geikos determinadas, e à capacidade de se adaptarem a mudanças sem perder sua identidade. Dizer que elas estão ultrapassadas é um exagero. As gueixas continuam sendo um parâmetro de talento, elegância, beleza e caráter feminino na sociedade japonesa – senão não haveria tantas imitadoras. Considere-se que mesmo no meio artístico atual, as cantoras do popular estilo enka procuram adotar o visual e os modos elegantes das gueixas. Dificuldades existem, mas certamente há futuro para a tradição da gueixa.

Fonte: Cultura Japonesa, por Cristiane Sato

 

Published in: on 22/03/2012 at 11:33  Deixe um comentário  
Tags: , , , , , ,