Sexta-feira Santa ou Sexta-feira da Paixão

A Sexta-Feira Santa é também chamada de “Sexta Feira da Paixão”, e é a sexta-feira que ocorre antes do domingo de Páscoa. É o dia em que os cristãos relembram a crucificação de Cristo na cruz. A Sexta-Feira Santa é um feriado móvel, assim como a Páscoa. No domingo de Páscoa os cristãos celebram a ressurreição de Jesus Cristo.

Nesta data ocorrem diversos rituais religiosos. A Igreja Católica aconselha os fiéis a fazerem algum tipo de penitência, como jejum e a abstinência de carne e qualquer ato que se refira ao prazer. Procissões e reconstituições da Via Sacra são alguns dos rituais mais difundidos. É comum que os católicos façam promessas nesse dia, além de deixar de comer seu alimento preferido, ou até mesmo deixar de fazer coisas que gostam muito nesse dia, como penitência.

Segundo a tradição cristã, a ressurreição de Cristo aconteceu em um domingo, ao dia 14 de Nisã, de acordo com o calendário hebraico. Essa tradição refere ser esse o terceiro dia desde a morte, pois contando a partir do domingo, e sabendo que o costume judaico, contava o primeiro e o último dia, seria então em uma sexta-feira o dia da morte de Cristo.

Fonte: Calendar R Brasil

Anúncios

14 de Setembro – Dia da Exaltação da Santa Cruz

A liturgia da Igreja Católica assinala 14 de setembro como o Dia da Exaltação da Santa Cruz.

A cruz é um dos maiores símbolos da Igreja Católica, pois é a memória permanente do sacrifício de Cristo no calvário e da salvação que ele alcançou. Os católicos também fazem o sinal da cruz para evocar o Pai (Deus), o Filho (Jesus) e o Espírito Santo para iniciar uma oração, quando se encontram diante de um altar, em um velório, em frente a um cemitério, em momentos difíceis ou em um lugar sagrado. É o sinal da identidade dos católicos.

O uso da cruz, com ou sem o corpo de Jesus, é uma declaração de fé e ao mesmo tempo uma forma de oração sem palavras. A Igreja não recomenda que a cruz seja usada apenas como adorno, mas sim como uma forma de representar o amor ao próximo e a Deus.

Para seus oponentes, a crucificação de Cristo tinha como objetivo principal a humilhação e, consequentemente, o esquecimento por parte da população daquele que se dizia o Messias.

Porém, as coisas não deram certo para os infiéis, pois a humilhante crucificação foi vista pelos fiéis como a prova de resignação e humildade do Cristo. O suplício infame acabou tornando a cruz um dos símbolos máximos da religião cristã. Dessa forma, seus inimigos viram fortificar-se ainda mais a fé naquele que, ressuscitado, se tornaria o Rei dos reis.

Por isso, se comemora e se exalta a Santa Cruz, como uma das grandes solenidades da Igreja. Essa festa foi celebrada pela primeira vez no ano 335. Em 615, os exércitos persas invadiram e saquearam a Palestina, levando com eles vários troféus, dentre os quais, a parte principal da cruz em que Jesus havia sido crucificado.

Inconformado com o roubo da Santa Cruz, o imperador de Constantinopla, Heráclito, combateu os persas vencendo-os e recuperando a relíquia, que ele mesmo fez questão de reconduzir a Jerusalém, carregando-a nos ombros. Com esse ato, Heráclito tornou o dia 14 de setembro de 628 um dia de triunfo e alegria para os cristãos.

Dessa forma a cruz, que a princípio tinha o objetivo de ser um símbolo de derrota e humilhação, hoje é usada e venerada por todos os que creem em Jesus. Nos momentos alegres e nos tristes, a cruz está e estará sempre presente, acompanhando por séculos a humanidade.

Fonte: CEDI / Catedral Org

cruz3